sábado, 30 de abril de 2011

NÃO PENSE DUAS VEZES...



A felicidade é um susto.
Chega na calada da noite, na fala do dia, no improviso das horas.
Chega sem chegar, insinua mais que propõe...
Felicidade é animal arisco. Tem que ser adimirada à distância porque não aceita a jaula que preparamos para ela. Vê-la solta e livre no campo, correndo com sua velocidade tão elegante é uma sublime forma de possuí-la.
Felicidade é chuva que cai na madrugada, quando dormimos. O que vemos é a terra agradecida, pronta para fecundar o que nela está sepultado, aguardando a hora da ressurreição.
Felicidade é coisa que não tem nome. É silêncio que perpassa os dias tornando-os mais belos e falantes.
Felicidade é carinho de mãe em situação de desespero.
É olhar de amigo em horas de abandono.
É fala calmante em instantes de desconsolo.
Felicidade é palavra pouca que diz muito. É frase dita na hora certa e que vale por livros inteiros.
Eu busco a frase de cada dia, o poema que me espera na esquina, o recado de Deus escrito na minha geladeira...
Eu vivo assim... Sem doma, sem dono, sem porteiras, porque a felicidade é meu destino de honra, meu brasão e minha bandeira.
Eu quero a felicidade de toda hora.
Não quero o rancor, não quero o alarde dos artifícios das palavras comuns, nem tampouco o amor que deseja aprisionar meu sonho em suas gaiolas tão mesquinhas.
O que quero é o olhar de Jesus refletido no olhar de quem amo. Isso sim é felicidade sem medidas.
O café quente na tarde fria, a conversa tão cheia de humor, o choro vez em quando.
Felicidades pequenas... O olhar da criança que me acompanha do colo da mãe, e que depois, à distância, sorri segura, porque sabe que eu não a levarei de seu lugar preferido.
A felicidade é coisa sem jeito, mas com ela eu me ajeito. Não forço para que seja como quero, apenas acolho sua chegada, quando menos espero.
E então sorrio, como quem sabe,que quando ela chega, o melhor é não dispersar as forças... E aí sou feliz por inteiro na pequena parte que me cabe.
O que hoje você tem diante dos olhos merece um sorriso? Não pense duas vezes...

Padre Fabio de Melo

sexta-feira, 29 de abril de 2011

PLACEBO



Perto de mais do fim para concertar
longe de mais do início para recomeçar...
e tudo que eu tenho são lembranças vazias
e saudades de coisas que nunca realmente aconteceram.

Mais uma vez nossas línguas se embaraçam
mas nossos labios não se tocam
eu tento me manter de pé mas a brisa
do mar sempre me derruba.

Ao toque do luar eu sinto meu brilho
se esvaindo e o gosto das ondas
sutilmente na minha língua, tão doce,
quanto as suas últimas juras de amor ...

Lá fora, a chuva cai limpando a terra,
tão forte ...
as coisas jamais serão as mesmas
sem aquela lama para esconder
o que eu sempre me fiz acreditar
que era amor ....

Knorrupe

HOJE É O TEMPO...




A vida é fruto da decisão de cada momento. Talvez seja por isso, que a idéia de plantio seja tão reveladora sobre a arte de viver.

Viver é plantar. É atitude de constante semeadura, de deixar cair na terra de nossa existencia as mais diversas formas de sementes.

Cada escolha, por menor que seja, é uma forma de semente que lançamos sobre o canteiro que somos. Um dia, tudo o que agora silenciosamente plantamos, ou deixamos plantar em nós,será plantação que poderá ser vista de longe...

Para cada dia, o seu empenho. A sabedoria bíblica nos confirma isso, quando nos diz que "debaixo do céu há um tempo para cada coisa!"

Hoje, neste tempo que é seu, o futuro está sendo plantado. As escolhas que você procura, os amigos que você cultiva, as leituras que você faz, os valores que você abraça, os amores que você ama, tudo será determinante para a colheita futura.

Felicidade talvez seja isso: alegria de recolher da terra que somos, frutos que sejam agradáveis aos olhos!

Infelicidade, talvez seja o contrário.

O que não podemos perder de vista é que a vida não é real fora do cultivo. Sempre é tempo de lançar sementes... Sempre é tempo de recolher frutos. Tudo ao mesmo tempo. Sementes de ontem, frutos de hoje, Sementes de hoje, frutos de amanhã!

Por isso, não perca de vista o que você anda escolhendo para deixar cair na sua terra. Cuidado com os semeadores que não lhe amam. Eles têm o poder de estragar o resultado de muitas coisas.

Cuidado com os semeadores que você não conhece. Há muita maldade escondida em sorrisos sedutores...

Cuidado com aqueles que deixam cair qualquer coisa sobre você, afinal, você merece muito mais que qualquer coisa.

Cuidado com os amores passageiros... eles costumam deixar marcas dolorosas que não passam...

Cuidado com os invasores do seu corpo... eles não costumam voltar para ajudar a consertar a desordem...

Cuidado com os olhares de quem não sabe lhe amar... eles costumam lhe fazer esquecer que você vale à pena...

Cuidado com as palavras mentirosas que esparramam por aí... elas costumam estragar o nosso referencial da verdade...

Cuidado com as vozes que insistem em lhe recordar os seus defeitos... elas costumam prejudicar a sua visão sobre si mesmo.

Não tenha medo de se olhar no espelho. É nessa cara safada que você tem, que Deus resolveu expressar mais uma vez, o amor que Ele tem pelo mundo.

Não desanime de você, ainda que a colheita de hoje não seja muito feliz.

Não coloque um ponto final nas suas esperanças. Ainda há muito o que fazer, ainda há muito o que plantar, e o que amar nessa vida.

Ao invés de ficar parado no que você fez de errado, olhe para frente, e veja o que ainda pode ser feito...

A vida ainda não terminou. E já dizia o poeta "que os sonhos não envelhecem..."

Vai em frente. Sorriso no rosto e firmeza nas decisões.

Deus resolveu reformar o mundo, e escolheu o seu coração para iniciar a reforma.

Isso prova que Ele ainda acredita em você. E se Ele ainda acredita, quem sou eu pra duvidar... (?)

Padre Fábio de Melo

quinta-feira, 28 de abril de 2011

MUDANÇAS



Alguma coisa está soprando no ar
Mudanças caminham no ar
Notícias caminham no ar
Existe o indefinível soprando no ar

Alguma coisa esta presente na atmosfera
A mudança de estação encerra mais um ciclo
E agora temos de abrir novas estradas
Pois existe algo na atmosfera

Não sei se são boas mudanças ou más
Sei que são mudanças
Sei que a primavera surge sempre sem motivos
Mostrando as flores que o inverno encerra

Sei que as mudanças estão a caminho
Porquê os dias são de espera
Existe espera nas horas, nos olhos, nos gestos
Espero as mudanças como quem espera um filho

E as vozes os meus sonhos encerram
Vozes que me chamam
Ajudando-me a suportar os minutos
que separam-me do destino que me espera
Aguardai-me vozes

Willian Gama Santos

quarta-feira, 27 de abril de 2011

O INACABADO QUE HÁ EM MIM


Eu me experimento inacabado. Da obra, o rascunho. Do gesto, o que não termina.
Sou como o rio em processo de vir a ser. A confluência de outras águas e o encontro com filhos de outras nascentes o tornam outro. O rio é a mistura de pequenos encontros. Eu sou feito de águas, muitas águas. Também recebo afluentes e com eles me transformo,
O que sai de mim cada vez que amo? O que em mim acontece quando me deparo com a dor que não é minha, mas que pela força do olhar que me fita vem morar em mim? Eu me transformo em outros? Eu vivo para saber. O que do outro recebo leva tempo para ser decifrado. O que sei é que a vida me afeta com seu poder de vivência. Empurra-me para reações inusitadas, tão cheias de sentidos ocultos. Cultivo em mim o acúmulo de muitos mundos.
Por vezes o cansaço me faz querer parar. Sensação de que já vivi mais do que meu coração suporta. Os encontros são muitos; as pessoas também. As chegadas e partidas se misturam e confundem o coração. É nesta hora em que me pego alimentando sonhos de cotidianos estreitos, previsíveis.
Mas quando me enxergo na perspectiva de selar o passaporte e cancelar as saídas, eis que me aproximo de uma tristeza infértil.
Melhor mesmo é continuar na esperança de confluências futuras. Viver para sorver os novos rios que virão.
Eu sou inacabado. Preciso continuar.
Se a mim for concedido o direito de pausas repositoras, então já anuncio que eu continuo na vida. A trama de minha criatividade depende deste contraste, deste inacabado que há em mim. Um dia sou multidão; no outro sou solidão. Não quero ser multidão todo dia. Num dia experimento o frescor da amizade; no outro a febre que me faz querer ser só. Eu sou assim. Sem culpas.

Padre Fabio de Melo

terça-feira, 26 de abril de 2011

OPOSIÇÃO


Estou absolutamente oposta
Agora estou visceralmente contrária a ti
Por você não escrevi o meu mais belo poema
Quantos casos de amor não vivi?
Agora o meu amor é de oposição
Voto contra a banca, rio, mostro quem manda
Decreto estado de sítio e suspendo suas garantias emocionais
Ponho a tropa na rua e armo uma barreira em seu coração
Agora o nosso amor é ditadura
Agora o meu amor é de oposição.

Autor: William G Santos

segunda-feira, 25 de abril de 2011

MEUS ENGANOS...


Descubro uma trilha onde era um deserto

e traço um caminho na imaginação.

Percorro quilômetros até descobrir

que por mais que eu caminhe, tentando seguir,

minha estrada é um círculo sem direção.

Os enganos atrasam a minha chegada,

consomem meu tempo, entortam meu chão,

misturam destinos, separam encontros

e disfarçam os erros de intuição.

Eles fingem estratégias, montam soluções

e me fazem crer que aprendi.

Mas apenas costuram retalhos de histórias

que me foram contadas

e que eu nunca li.

Meus enganos invertem as minhas certezas,

abalam as pontes que eu construí,

decoram atalhos e juntam percursos

que não combinam mais entre si.

Mas a minha viagem precisa ser feita

e não quero errar nem viver de ilusão.

Confio em Deus, no amor e no tempo,

então solto as amarras do meu pensamento

e minha mente perdoo pela confusão.

Autor: Roberta Marcon

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Á UM AUSENTE


Tenho razão de sentir saudade,
tenho razão de te acusar.
Houve um pacto implícito que rompeste
e sem te despedires foste embora.
Detonaste o pacto.
Detonaste a vida geral, a comum aquiescência
de viver e explorar os rumos de obscuridade
sem prazo sem consulta sem provocação
até o limite das folhas caídas na hora de cair.

Antecipaste a hora.
Teu ponteiro enlouqueceu, enlouquecendo nossas horas.
Que poderias ter feito de mais grave
do que o ato sem continuação, o ato em si,
o ato que não ousamos nem sabemos ousar
porque depois dele não há nada?

Tenho razão para sentir saudade de ti,
de nossa convivência em falas camaradas,
simples apertar de mãos, nem isso, voz
modulando sílabas conhecidas e banais
que eram sempre certeza e segurança.

Sim, tenho saudades.
Sim, acuso-te porque fizeste
o não previsto nas leis da amizade e da natureza
nem nos deixaste sequer o direito de indagar
porque o fizeste, porque te fostes...

Carlos Drummond de Andrade

terça-feira, 19 de abril de 2011

UM TEMPO QUE PASSOU


Vou
uma vez mais
correr atrás
de todo o meu tempo perdido
quem sabe, está guardado
num relógio escondido por quem
nem avalia o tempo que tem

Ou
alguém o achou
examinou
julgou um tempo sem sentido
quem sabe, foi usado
e está arrependido o ladrão
que andou vivendo com meu quinhão

Ou dorme num arquivo
um pedaço de vida
a vida, a vida que eu não gozei
eu não respirei
eu não existia

Mas eu estava vivo
vivo, vivo
o tempo escorreu
o tempo era meu
e apenas queria
haver de volta
cada minuto que passou sem mim

Sim
encontro enfim
iguais a mim
outras pessoas aturdidas
descubro que são muitas
as horas dessas vidas que estão
talvez postas em grande leilão

São
mais de um milhão
uma legião
um carrilhão de horas vivas
quem sabe, dobram juntas
as dores colectivas, quiçá
no canto mais pungente que há

Ou dançam numa torre
as nossas sobrevidas
vidas, vidas
a se encantar
a se combinar
em vidas futuras

Enquanto o vinho corre, corre, corre
morrem de rir
mas morrem de rir
naquelas alturas
pois sabem que não volta jamais
um tempo que passou

Chico Buarque

segunda-feira, 18 de abril de 2011

AVESSO


No nosso caminhar o tempo e trajetar a vida,
encontramos pessoas que passam,
outras que vão e
outras que ficam.

Muitas na mesma direção,
mas poucas no mesmo sentido.

Algumas até tentam o lado a lado,
mas por falta de obstinação e
na ânsia de antecipar o futuro,
ficam a degustar o instantâneo
enquanto roem a vida.

Nesse processo de escalar o tempo e
“alcançar” o que a vida tem a oferecer,
os cruzamentos prescritos
nos jogam no peito
pessoas que por vezes
nos arrastam pelos encantos que parecem ter;
e alheios à dor que podemos sentir,
esses prescritos mostram
que o calendário da convivência
faz cair o véu e
revelar o que por trás dele
parecia puro e perfeito;
e depois de dissolver o fascínio e
desnudar o belo,
faz este, mostrar seu avesso e
expor o que nos tira o sorriso;
e ainda, como castigo,
nos força crescer e,
com o coração ferido, entender que,
se as expressões dos nossos sentimentos
não conseguiram fiar o vínculo naquele que de nós se desgarrou
é porque a vida nos destina,
ainda, a outro caminhar...

(Josué Firmino dos Santos)

domingo, 17 de abril de 2011

SABEDORIA CANINA



Já se imaginou agindo com a sabedoria canina?

A vida teria uma perspectiva mais amistosa.

Tente:

1. Nunca deixe passar a oportunidade de sair para um passeio.
2. Experimente a sensação do ar fresco e do vento na sua face por puro prazer.
3. Quando alguém que você ama se aproxima, corra para saudá-la(o).
4. Quando houver necessidade, pratique a obediência.
5. Deixe os outros saberem quando invadiram o seu território.
6. Sempre que puder tire uma soneca e se espreguice antes de se levantar.
7. Corra, pule e brinque diariamente.
8. Coma com gosto e entusiasmo, mas pare quando estiver satisfeito.
9. Seja sempre leal.
10. Nunca pretenda ser algo que você não é.
11. Se o que você deseja está enterrado, cave até encontrar.
12. Quando alguém estiver passando por um mau dia, fique em silêncio,
sente-se próximo e, gentilmente, tente agradá-lo.
13. Quando chamar a atenção, deixe alguém tocá-lo.
14. Evite morder quando apenas um rosnado resolver.
15. Nos dias mornos, deite-se de costas sobre a grama.
16. Nos dias quentes, beba muita água e descanse embaixo de uma árvore frondosa.
17. Quando você estiver feliz, dance e balance todo o seu corpo.
18. Não importa quantas vezes for censurado, não assuma a culpa que
não tiver e não fique amuado... corra imediatamente de volta para seus amigos.
19. Alegre-se com o simples prazer de uma caminhada.

Desconheço o autor.